Seja um idiota neste Natal

As mídias sociais estão mudando a maneira pela qual as pessoas interagem. Trata-se, sem dúvida, de uma revolução cultural e muitos especialistas falam sobre isso ad nauseam.  A maioria destas opiniões aposta numa única metodologia para fazer suas previsões. Nos círculos acadêmicos ela é chamada de cálculo hipotético universal de tendência estatística, ou seja: o famoso chute.

Poucos sabem realmente mensurar impactos ético-demográficos ou imaginar cenários complexos com responsabilidade. Todos opinam impunemente e isto tem uma razão de ser. Afinal, no Brasil basta balançar uma árvore que caem ao menos 10 consultores. É uma verdadeira praga em nossa cultura, que precisa ser exterminada antes que o conhecimento genuíno seja devorado de vez.

Mas, independente destes inúteis opinólogos, as empresas já descobriram o “filão das redes sociais” e passam a investir desesperadamente nestes canais, com inúmeras promoções. Querem exposição máxima e poluem nossa navegação com banners e adds os mais diversos. Não há praticamente um endereço na web que não seja atacado por esta súcia de malfeitores. Não há um único canal de informação que não passe por um maldito banner, que hoje está embutido em quaisquer aplicativos.

Você quer ver um filme e lá está o “advertising”. Abre uma página e estoura a “pop-up”. As notícias são espremidas, porque na lateral da página tem que ter um número infinito de links patrocinados.  A página se mexe, porque agora a moda é o “megabanner” que, sem você pedir, abre-se automaticamente em alguns sites. Que porre!

Antes, nos jornais, havia uma tabela de centimetragem, que determinava o quanto custaria os anúncios. Hoje, se cobram por pixels! Trata-se, também de uma revolução na maneira pela qual se pratica a velha arte de vendas, conhecida como “pescaria”. Sim! Trata-se de lançar uma isca para os tolos, através de uma ilusão para seus sentidos que ele é imediatamente fisgado. No varejo e nos shoppings o lance é jogar o “peixe”, quer dizer, o cliente para dentro da loja e de lá não deixá-lo sair sem comprar algo.

Na internet trata-se de uma imagem que desperte seu desejo de consumo e, uma vez clicado o banner ele é redirecionado a uma página especialmente atrativa, onde se ocultam as características técnicas e maximiza-se amplamente o benefício, resultando em alta chance de o visitante adquirir algo pela “magia” do e-commerce. No mínimo fica com água na boca e aguardará ansioso, a próxima promoção…

Nas redes sociais, devido ao seu código tácito de conduta, não dá para fazer apelo comercial direto. Quem se atreve a vender diretamente é hostilizado e a marca é fritada (Ainda. No futuro, quem sabe?). Quem não odeia aquele nóia que para vender “sutilmente” seus cursos, livros ou produtos, compartilha duzentas vezes sua mensagem ou retuita indefinidamente, pensando que ninguém vai notar que é venda? Este fim de ano eu juro que vou fazer uma faxina em meus contatos. Todo falso relacionamento será excluido sumariamente. Não tenho tempo para espertinhos virtuais.

Assim, para as empresas que agem nas mídias sociais, o interesse desloca-se hipocritamente para fazer relacionamentos e agregar seguidores. Então promoções em seus apelos, buscam oferecer tudo aquilo que você sempre quis ter, sem ter que pagar por isso. Legal, não? Como funciona? Basta “curtir” nossa “fan page”, recomendar aos amigos, disparar zilhões de emails e compartilhamentos para seus amigos que você concorre a um “Ipad2”. Fique ligado e siga as instruções. Não é o máximo?

Você trabalha ostensivamente para nós, fazendo uma divulgação extenuante para toda a sua rede de contatos, através das várias mídias e, em troca, nós lhe damos uma “miserável possibilidade ganhar uma traquitana eletrônica qualquer”. Venham amigos, a sorte está com vocês! Seja um idiota nesta Natal e passe suas horas de navegação trabalhando para nosso marketing e divulgando nossa marca. No final, você poderá ganhar um SMS de agradecimento pela participação. Ah! usamos a foto do Apple, mas era apenas ilustrativa, mandaremos o ching-ling mesmo, ok? No hard feelings.

Nunca a relação estímulo-recompensa foi tão explorada, por tão pouca recompensa, diga-se de passagem.  A ilusão virtual de “eu vi este anúncio primeiro” parece se impor à lógica da realidade, em que milhares de acessos ocorrem simultaneamente. Assim, você na verdade foi o último a ver o banner. Outra falácia, é que as agências de marketing exploram a compulsão dos indivíduos frente a uma “oferta sem custos”.

Qual o raciosímio? Simples: estar na web “não gasta nada” e se eu perder algumas horinhas do dia ou da noite clicando em gincanas eletrônicas ganharei um prêmio bom, que eu não poderia comprar. Errado! Você perderá muito, pois suas chances são mínimas.

E, a não ser que passe dias trabalhando de graça para uma marca qualquer, não conseguirá chegar perto dos pontos do regulamento. Que, aliás, ninguém lê. Finalmente, quando a promoção acaba, você não conseguiu chegar lá e fica frustrado. Enquanto isso, um vagabundo virtual qualquer, cuja existência se dá somente no cyberespaço, ganhou o prêmio.

Ah! Você não sabia que existem milhares de pessoas dedicadas 100% a estas promoções e concursos?

Pois é… Chegou tarde!  Alguém clicou antes. They fool another one!

Anúncios
Esse post foi publicado em Organizações e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s